Por Bruno Leonel

Outlaw Country e Rock and Roll no mesmo palco. É  essa a proposta da turnê Outlaws & Rebels realizada pela banda londrinense Turbo em pareceria com o músico Willie Heath Neal, diretamente da Georgia (EUA). A turnê passou já por cidades do Paraná, São Paulo, Santa Catarina, Minas Gerais, Distrito Federal e Goiás… e encerra no próximo sábado no Vitrola Bar em Londrina.

A banda londrinense Turbo uniu forças com o músico Willie Heath Neal (O terceiro da esquerda para a direita) na turnê Outlaws & Rebels - Foto: Monica Peres
A banda londrinense Turbo uniu forças com o músico Willie Heath Neal (O terceiro da esquerda para a direita) na turnê Outlaws & Rebels – Foto: Monica Peres

A banda Londrinense aproveita a turnê para divulgar seu primeiro álbum de estúdio, “Trilha Sonora para Pessoas Rústicas” lançado recentemente. Já Willie trás em sua bagagem características marcantes do movimento “Fora da Lei”, como o Outlaw Country ficou conhecido na década de setenta.

A tour iniciou no dia 14 de julho e que será concluída no próximo dia 13 de agosto de 2016. Quem viu os shows, viu muita semelhança entre os dois ritmos, como conta Ricardo Pigatto vocalista do TuRBö. “A ideia é mostrar as semelhanças entre o Outlaw Country e o Rock and Roll”. E ainda enfatiza. “Não faz o menor sentido separar tanto os dois estilos.” Pela segunda vez no Brasil Willie trás em sua bagagem características marcantes do movimento “Fora da Lei”, como o Outlaw ficou conhecido na década de setenta. Já os rockeiros do TuRBö influenciados por bandas como AC/DC, Thin Lizzy, Motörhead, Rose Tattoo e KISS, mostra toda sua versatilidade ao lado do Willie tocando o melhor dos dois ritmos. A seguir, confira uma entrevista com o músico estadounidense.


De começo, uma clássica: Como foi o início do seu trabalho com música? A paixão pelo estilo do ‘OutLaw Country’ foi algo desde cedo para você??
Eu comecei a primeira banda já quando estava na Marinha, aos 20 anos de idade. Eu cresci ouvindo Country, mas a minha primeira banda foi Punk Rock. Conforme fui envelhecendo foi natural a transição para o country porque já estava enraizado.

E sobre a aproximação com o pessoal do Turbö?, como foi o encontro? Demorou pra rolar ou teve uma afinidade na estrada mesmo?
Eu fiquei muito amigo do Pigatto quando excursionei com o Fabulous Bandits. Quando decidimos fazer a tour o pessoal da TuRBö já estava ensaiando as minhas músicas. Fizemos dois ensaios juntos antes do primeiro show e foi o suficiente. Fiquei surpreso de como essa reunião soou bem.

O que você poderia dizer sobre os elementos ‘semelhantes’ entre o seu trabalho autoral, e o som do pessoal do Turbô??
Simples: Os dois trabalhos são rebeldes e tocados com atitude…

Você teve já uma passagem por Londrina (Por volta de 2013), o que lembra dos shows dessa época? Teve alguma outra cidade do Brasil, pela qual você passou, que teve também shows marcantes?
Eu lembro do Vitrola que foi o primeiro show e estava lotado. E também lembro do Drinks & Parts em Poços de Caldas onde o publico estava animadissimo e o Jokers em Curitiba porque tocamos com os amigos do Hillbilly Rawhide e estou feliz de termos feitos isso novamente esse ano.


Como é a variedade de estilos da cena musical na região onde você mora? (Georgia, pelo que ele havia comentado, confirme por favor) há uma ligação forte com o Country ou é mais plural em estilos/artistas?
A cena é muito rica, temos muito country mas também temos muito rockabilly, rock´n´roll, rap. Atlanta é inclusive a mesma cidade do Nashville Pussy que já esteve no Brasil e também fez alguns shows com o TuRBö.

Você é um artista que já excursionou por regiões da Europa (Você tinha comentado em off) como é a recepção do seu trabalho nos países de lá?
A mesma coisa que aqui, as pessoas adoram o outlaw country e se empolgam bastante com os shows.

Após essa turnê, já tem novos projetos em mente? Mais excursões por outros países, algum novo trabalho de estúdio… Etc.
A mesma coisa que aqui, as pessoas adoram o outlaw country e se empolgam bastante com os shows…