Por Bruno Leonel

Em mais um domingo concorridíssimo na programação cultural de Londrina – O dia oferecia apresentações gratuitas, com bandas de rock no Barbearia Londrina e também o show gratuito com a cantora Mahmundi no Ahead, sem mencionar o evento coletivo ‘A Maré’ que levou apresentações artísticas e teatro para seis bairros diferentes da cidade – um número considerável de pessoas compareceu à Vila Cultural Kinoarte, próximo a UEL para prestigiar o evento Ultrassom, evento ligado ao Festival Peroba Rosa, que neste ano chega a 4ª edição.

Apresentação de danças urbanas marcaram a programação do evento já durante o início da noite - Foto: Bruno Leonel.
Apresentação de danças urbanas marcaram a programação do evento já durante o início da noite – Foto: Bruno Leonel.

O evento deste domingo foi uma forma de arrecadar recursos para o festival (Previsto para outubro) de forma que o mesmo continue ocorrendo de forma gratuita levando cultura e música a diversos bairros da cidade, como já ocorreu nas edições passadas. “Levamos mais ou menos um mês para formar a programação da festa. Que é uma coisa que já vem desde o começo do ano, discutindo sobre meios de arrecadação para a grana do festival, o ‘peroba’ vem mantendo o mesmo formato desde a primeira edição… Que é um formato aberto e gratuito ao público, então, a gente precisa arrecadar uma grana para fazer isso acontecer do jeito que a gente quer… “, contou Renata Landgraf, da organização, à reportagem do Rubrosom. “A ideia era fazer o evento aberto ao público, onde não houvesse segregação de espaço, nem de poder aquisitivo para o público, o evento nasceu na UEL, mas, nossa ideia é ocupar os espaços públicos da cidade mesmo, com cultura…” completou Matheus Bezerra de Menezes, que participou da organização desde o 2º Festival realizado, realizado em 2013. A Vila Kinoarte conta com o apoio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic).

Entre as bandas o som do local ficou a cargo do DJ Gustavo Veiga tocando música latina, brasileira e vários outros estilos - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.
Entre as bandas o som do local ficou a cargo do DJ Gustavo Veiga tocando música latina, brasileira e vários outros estilos – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.

O evento teve início cedo, por volta das 15h, e mesmo com um tempo frio (E com fortes ventos) reuniu um número considerável de pessoas no espaço. O som de qualidade e produção de qualidade, aliados à pluralidade de estilos da programação foram diferenciais na realização do Ultrassom. Além de uma oficina de encadernação – Comandada por Adriana Siqueira e Elias De Andrade – o evento também contou com um momento voltado à danças étnicas com a presença de Regina Reis.

Por volta das 20h30 o Loladéli (Que fazia seu segundo shoe do dia) se apresentou na Kinoarte - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Por volta das 20h30 o Loladéli (Que fazia seu segundo shoe do dia) se apresentou na Kinoarte – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

Um pouco mais tarde, o som ficou por conta da estreia oficial da banda Matina (misturando rap com rock) e a psicodelia do Loladéli, que no dia realizou sua segunda apresentação (O trio havia tocado também no Barbearia, alguns instantes antes), por fim, o  ‘Coletivo Em Movimento’ também fez uma apresentação de danças urbanas. ‘É uma coisa orgânica, o próprio peroba está inserido na cidade, e nessa ideia de ocupar… O próprio Movimento dos Artistas de Rua de Londrina (MARL), está com a gente hoje e, vários de nós estamos na ocupação também, a gente se ajuda (O MARL era responsável pela cozinha durante  o evento do domingo) e acho que a cultura está efervescente na cidade desde 2013, acho que há muita troca entre essas experiências, a ideia é agregar todo mundo, sem essa distinção de arte, tentamos abranger todo o tipo de estilo…”, acrescentou Matheus Bezerra.

ultrassom4

Um edital, para inscrição na programação do Festival Peroba Rosa, será aberto no mês de Outubro e, a organização, aproveitou o espaço para convidar a todos que gostariam de participar do evento, todos que realizam algum tipo de arte, seja pintura, artesanato, música ou semelhantes, podem entrar em contato no  O grupo realiza reuniões semanais – Todas as quartas, meio-dia, no antigo Cequinha (Próximo ao CCH da UEL), o espaço é aberto para que mais pessoas compareçam e conheçam sobre as ideias do Peroba. “A experiência é muito boa, bastante gente hoje que está ajudando a Okupação, e que, na verdade representa para a cidade, em questão de mudanças, de fazer diferença. O Peroba sempre abriu espaço para que a ocupação se mantenha, tanto a Kinoarte, como a Alma… e sempre quando abrem esses espaços, ajuda a somar por lá, todo mundo tem torcido a favor”, contou Daniela Fiorucci, membro do Movimento dos Artistas de Rua de Londrina, que era responsável pela cozinha do evento na Kinoarte.


Mais informações sobre o Peroba, além de detalhes sobre o edital serão divulgados pelo facebook do projeto.