Por Bruno Leonel

Faltando exatamente 18 dias para o término de 2016, o grupo Teatro de Garagem apresentou na última quarta-feira (14) o espetáculo ‘Jornal de Pulgas: O Chiado da Cidade’ inspirada em acontecimentos do cotidiano, assim como, muitos desses acontecimentos baseados na forma como são relatados pela mídia convencional. Produzido de forma coletiva, com participação de todos os atores do elenco, a peça é resultado final do Curso Livre Teatro de Garagem realizado em 2016. Foi a terceira vez em que ela é apresentada neste mês.

Jornal de Pulgas é apresentada no centro de Londrina
Espetáculo atraiu a atenção de famílias, crianças e pessoas mais velhas que passavam pelo calçadão – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

A peça iniciou por volta das 20h, montada a partir de uma organização circular, feita no Calçadão de Londrina (Avenida Paraná, próximo ao número 350). Com diversas cores e elementos em cena – Incluindo cadeiras, bancos e elementos que emulavam muros e outros elementos da cidade grande – A apresentação formou um contraste curioso junto às luzes do calçadão e à multidão que, em sua maioria, comparecia ao centro devido ao horário diferenciado do comércio, já em plena atividade devido aos preparativos para o Natal.

Atores se apresentaram em formato semi-circular próximo a iluminação colocada no espaço do calçadão - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Atores se apresentaram em formato semi-circular próximo a iluminação colocada no espaço do calçadão – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

Entre curiosos e pessoas que nunca haviam visto o teatro de garagem um detalhe foi notável; O grande número de polícias presentes ao redor do local da apresentação foi notório. Possivelmente outro efeito do ‘horário de natal’ do comércio que, todos os anos, implica também no aumento da frota policial em regiões de maior movimento. No entanto, foi no minimo coincidência o fato de, algumas viaturas, circularem frequentemente pelo trecho (Antes e durante a peça) no exato momento em que cenários eram montados e ainda fazendo com que peças da iluminação precisassem ser mudadas de local.

Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

Um dos trechos da peça ironiza, exatamente, abordagens policias em relação a artistas e figuras da cidade. “O processo todo de criação do texto começou quatro meses atrás, a gente iniciou com as notícias de jornal e elementos como horóscopo, tudo o que você encontra num jornal aliado á estética do clown… Além de elementos de rítmo, percussão, que funcionam como um potencializador para o teatro de rua também, a partir das improvisações foram surgindo cenas no processo, a ideia é colocar em questão sobre o que é importante ser dito na mídia”, contou á reportagem o ator Rafael Avansini, membro do teatro de Garagem.

Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

Utilidade Pública – Além da apresentação desta quarta, diversas peças de teatro acontecem pela cidade (Em diferentes bairros) como parte da programação do festival A Maré – Arte em movimento. Na próxima sexta-feira (16) o Teatro de Garagem novamente estará se apresentando, mas, no Conjunto Novo Amparo (Região Norte). O evento coincidiu, em Londrina, com uma notícia positiva; Na última terça (13) a Câmara de Vereadores reconheceu a Associação do Movimento dos Artistas de Rua – AMARL como uma associação de utilidade pública. Com o título de utilidade pública, agora , a associação poderá, legalmente, ter a cessão do Canto do MARL (Como ficou conhecido o espaço da antiga ULES). “É só o começo, isso permite por agora que a gente tenha condição legal de receber a cessão do prédio, ela foi dada à associação dos artistas de rua até o final deste ano. E agora a gente quer pressionar nas negociações para que seja feita essa cessão para a gente… “, pontuou o ator Rafael Avansini em entrevista ao Rubrosom.