Por Bruno Leonel

O quarteto londrinense Samba 172 divulgou nesta semana sua nova faixa autoral intitulada ‘Teu Pandeiro ainda bate’ (para Luis Henrique Caetano) com a participação do músico Nelson José da Silva, de 80 anos, figura muito emblemática para o samba e para a música popular de Londrina, onde costuma se apresentar com seu grupo ‘Seo Nelson e o Quarteto do Samba’.

Samba 172 em estúdio com o Seo Nelson (De blusa listrada e óculos) durante as gravações da faixa - Foto: Acervo Samba 172
Samba 172 em estúdio com o Seo Nelson (De blusa listrada e óculos) durante as gravações da faixa – Foto: Acervo Samba 172

Em décadas de atividade, dedicadas à música brasileira, foi a primeira vez que o músico teve um registro de estúdio. “Foi um verdadeiro marco… É a primeira vez que o Nelson aparece em um registro de estúdio. O músico Israel Laurindo (Também de Londrina)  fez gravações com o Nelson, mas, envolvendo outros gêneros, gravou coisas mais como canção, flertando com outros ritmos… Foi uma experiência muito interessante, ele nunca tinha se ouvido em gravação, o lance de usar o fone, registrar em estúdio, a postura de voz, ele nunca havia passado por uma situação assim … Foi muito rico ver este processo dele. E também, ver como ele é referência até na hora de montar o som; Cada take dele, foi cantado com uma possibilidade diferente, de um jeito diferente, o que mostra a bagagem, mostra o total de ideias que ele tinha… Mesmo na hora do coral (Onde todos cantam) ele trouxe ideias de várias entonações…”, contou Ronaldo Matos, vocalista e compositor da faixa.

"Eu tive toda a liberdade na gravação, você tem q fazer as coisas certinho, um respiro as vezes atrapalha tudo", contou Seo Nelson à reportagem sobre a gravação (Ronaldo Matos observa Seo Nelson tocando) - Foto: Acervo Samba 172
“Eu tive toda a liberdade na gravação, você tem q fazer as coisas certinho, um respiro as vezes atrapalha tudo”, contou Seo Nelson à reportagem sobre a gravação (Ronaldo Matos observa Seo Nelson tocando) – Foto: Acervo Samba 172

Sobre a gravação, Nelson da Silva contou que ficou feliz com o resultado “Gostei muito da música final. Na gravação eu tive toda a liberdade, é um pouco diferente, você tem q fazer as coisas certinho, um respiro as vezes atrapalha tudo de novo, achei muito bacana a experiência, e também, a atitude deles de fazerem esse samba em homenagem ao Luizinho. Ele era um cara especial, sempre bem humorado. No tempo em que tocamos junto, de 2007 até 2011, nós circulamos bastante, íamos sempre onde nos contratavam… Eu era como um pai pra ele”, relembra Seo Nelson sobre o período em que tocou com Luiz.

Composição – Segundo o cantor e autor da faixa,  Ronaldo Matos, a música foi escrita com uma forma de homenagem ao músico (E ex-integrante do Quarteto do Samba) Luiz Caetano, falecido após um acidente em 2011. Para Ronaldo, Luiz foi uma figura muito importante, também para a popularização do samba na cidade. “Eu vejo que, entre 2008 até 2011, o Luiz foi uma figura que fez várias pontes entre regiões, unindo tanto o pessoal do samba da padaria, com o pessoal da UEL, fez mais gente circular em outros meios, trouxe um maior público universitário para o samba. Tanto o trabalho do 172, fazendo a gente ir a outros sambas e, ele foi meio q um anfitrião pra gente – Em 2011, teve este incidente com ele, e na época estávamos todos muito ocupados com outras atividades, lembro que, entrei um dia no facebook e comecei a rever fotos, lembrar de coisas do Luiz (Ele faleceu em um incidente após enchentes na região da Vila Nova), aos poucos foi surgindo alguma coisa da letra e a música começou dai. Mostrei pro pessoal e eles gostaram…”, contou Ronaldo à reportagem do Rubrosom.

O processo da produção toda teve início em Março de 2016. Foram pesquisados diversos produtores e, acabaram falando com o músico Luciano Galbiatti, que recentemente montou um estúdio. “As gravações iniciaram em junho, ao longo de vários dias, nos quais, a gravação ia ocorrendo com os instrumentos separados, em dias diferentes eram gravados a bateria, o baixo e depois o violão… As vozes foram o último a ser gravado. Fomos incrementando coisas, o Robson escreveu coisas para os metais, o Fernando Salles executou todos os instrumentos de sopro. As gravações iniciaram em junho, cada instrumento sendo gravado separadamente… O legal foi que cada um participou da sessão do outro”, contou Ronaldo.

Nova Fase – De acordo com o Ronaldo, a música marca também uma nova fase na produção do Samba 172, que esteve em ‘hiato’ por cerca de um ano, no qual, os integrantes se dedicaram à projetos pessoais, além da crise econômica, que coincidiu com uma diminuição no número de shows. “Após se afastar, acabamos voltando com uma perspectiva de trabalhar os sons. Antes o pessoal conhecia a gente pelas nossas versões, e, agora retomando já iremos focar no repertório autoral. A gente tinha quase 150 sambas tirados, há faixas hoje que a gente ouviu mas que não se identifica mais… “, conta o músico.

Segundo ele “Demos uma selecionada em sambas que tem a ver mais com nossa cara, que sejam interessantes pra nosso repertório hoje, além de mudarmos algumas coisas também, deixamos o som com nossa cara, fazemos mudanças nas musicas…Temos 7 sons autorais prontos, e mais algumas coisas que trabalharemos ainda. A ideia é juntar esse repertório todo e, apresentar por ai, divulgar em novos shows em breve, queremos também estrear ‘Teu Pandeiro ainda bate’ ao vivo… “, contou Ronaldo.