Por Bruno Leonel

Acontece nesta quinta-feira (8) em Londrina a apresentação do show “Cronovisor – Renato Russo, de corpo e alma”, que através de música, projeções e um pouco de teatralidade busca levar o público ao resgate da obra e história do cantor e compositor Renato Russo (Falecido em 1996). Unindo linguagens diversas como projeções em vídeo, poemas e muita criatividade, o show promete encantar antigos fãs do cantor, e ainda, atrair novos olhares ainda de pessoas pouco familiarizadas com o trabalho do músico.

 O espetáculo é fruto de um estúdio artístico sobre o compositor, realizado pelo produtor e psicólogo Samuca Luna “A ideia surgiu em 2009 quando eu estava prestes a me formar em psicologia. Sempre pesquisei bastante sobre alguns ídolos que tenho no rock nacional: como Raul Seixas, Cazuza e Renato Russo. Minha monografia foi sobre o ator de sublimar. Ou seja, tentar entender como compositores transformar dor emocional em arte, música, letras, poesia. Daí ja me deu uma vontade forte de levar minha pesquisa para o palco…”, contou o produtor em entrevista ao Rubrosom.

Renato Russo é relembrado espetáculo nesta semana
Poesia, projeção em vídeo e instrumentação fazem parte do espetáculo – Foto: Divulgação

De acordo com Samuca, o nome da peça é inspirado num suposto ‘artefato’ que, ainda no séc XX teria sido inventado por um padre italiano. Segundo a ‘lenda’ a máquina era apresentada como capaz de visualizar cenas do passado: incluindo fatos históricos como a crucificação de Cristo. Chamado de Cronovisor, o objeto teria se tornado lenda logo após a igreja católica ter destruído-o nos anos 50. Segundo Samuca, o nome tem total relação com a coisa da nostalgia/saudosismo presentes na peça. “Há bastante disso sim…  Mantive o nome Cronovisor com esta intenção: o show é uma volta a recortes do passado. Recortes de momentos importantes na vida do Renato”, pontua o produtor. Confira uma breve entrevista com o autor:
__
Rubrosom – Quanto tempo de preparação para a ‘montagem’ do espetáculo? Houve muitas dificuldades durante o processo todo?
O projeto começou em Março de 2015, mas no final deste mesmo ano sofreu fortes mudanças. Passei um mês na Argentina e lá ensaiei bastante, me dediquei a construção e nova concepção do show. Troquei experiencias. Foi um período sabático. Voltei da Argentina com o novo show criado. Cenário, ideias, videos. Fiz uma apresentação no interior de Pernambuco para sentir a resposta do publico. Foi incrível. O publico ficou num estado catártico, era aquilo que eu queria. Daí, segui adiante, e já se foram mais de 100 cidades….

Pessoalmente, como o trabalho do Renato Russo (E do Legião mesmo) teve influência sobre você? É algo que você acompanha desde pequeno etc?
Conheci o Renato Russo no dia que ele morreu. Eu usava uma rede social, bem precária na época, mas era o que tinha a disposição, chama-se mIRC. Lá as pessoas começaram a dizer que o Russo morreu. Eu pensei que era o Russo da Xuxa, aquele assistente bem feio. Rsrsrsrs. Eu tinha 13 anos na época. Fui pesquisar quem era o tal Russo e descobri o Renato. Descobri a Legião. A morte tem disso, ela sempre traz alguma coisa nova. Pra mim, a morte do Renato trouxe o Renato….

Em geral, fãs do Renato Russo – Assim como, da música brasileira dos anos 80  – frequentemente mostram um certo pessimismo com a música feita hoje em dia (Comentários do tipo, ‘só as músicas antigas eram bonitas…’ e esse tipo de coisa) como você entende esse tipo de relação com a produção atual da música brasileira?
A produção atual é fantástica. Hoje se faz muita música boa. Talvez até mais que no passado. Mas as pessoas estão preguiçosas. Eu sempre descubro coisas boas e mostro a meus amigos. Eles sempre perguntam: como você acha isso? Eu procuro. Eu vou atrás. Antigamente você sentava a bunda na cadeira e o que era bom passava na TV. Isso realmente mudou. Quem precisa de coisa boa tem de ir atrás. Mas o pessoal tá preguiçoso demais. E dá nisso.

Mesmo tendo morrido já há 21 anos, e tendo se destacado em uma banda que não lançou muita coisa há décadas, o trabalho do Renato continua influenciando e conquistando novos ouvintes, mesmo em tempos recentes… Porque você acha que essas músicas, mesmo após tanto tempo, carregam tamanho significado?
A música do Renato é atemporal porque as coisas que ele fala nas suas canções também são. É o adolescente em dúvida, é o amor impossível, intenso e frágil, é a vida que te dá uma rasteira e você aguarda o sol voltar pra se reerguer, isso não muda nunca. E vai ser sempre assim. A política medíocre, corrupção, um país sempre em transformação. Não existe no horizonte nada que nos aponte que um dia isso vai ser diferente, então o Renato vai estar sempre ali, presente com suas músicas para nos lembrar o quão difícil e injusto pode ser a vida, mas que sempre pode haver esperança, é só lutar e aguardar, o sol sempre vem…


O CANTOR- Músico, produtor e psicólogo. Desde os 16 anos de idade Samuel Luna, o Samuca, promove eventos de grande e médio porte. Além de inúmeros espetáculos teatrais e shows de humor, Samuca trabalhou em produções com alguns dos mais importantes nomes da música brasileira, como: Nando Reis, Frejat (Barão Vermelho), Humberto Gessinger (Engenheiros do Hawaii), Charlie Brown Jr, Leoni, Ana Cañas, 5 a Seco, Tiê, Catedral, Ls Jack, Dado Villa-lobos e tantos outros nomes. Ator, também escreveu alguns espetáculos já encenados no estado de Pernambuco. Atuou ainda em programas de TV e propagandas exibidas em afiliadas Globo, Sbt e Band.


Cronovisor – Renato Russo, de corpo e alma
Quando: Quinta-feira (9), às 20 horas
Onde: Hotel Crystal (Quintino Bocaiuva, 15)
Quanto: R$ 30 + taxa de R$ 4,50 (www.ingressonacional.com.br)
Mais informações: www.cronovisor.com.br