Por Bruno Leonel

O violonista Marcel Powell, filho de Baden Powell, é atração desta quinta (11) na Série Palcos Musicais. O músico se apresenta às 20h30, no Centro Cultural Sesi/AML com o show “Só Baden”, o espetáculo traz releituras de canções clássicas compostas pelo pai do artista, Baden Powell, considerado um dos músicos brasileiros mais notáveis de sua época. O Sesi/AML fica na Rua Maestro Egídio do Amaral, 130, Praça Primeiro de Maio.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Neste show especial, o público terá a oportunidade de apreciar temas como “Berimbau”, “Samba em Prelúdio”, “O Astronauta” e “Tempo Feliz”, entre outras pérolas de Baden Powell, com quem o filho Marcel teve aulas na infância A apresentação será a primeira atração do “Mês do Violão”, que está sendo realizado em agosto pela Série Palcos Musicais. Também estão confirmados os shows dos violonistas Yuri Marchese (dia 19) e Natanael Fonseca (dia 26), ambos marcados para as 20h30, no Centro Cultural Sesi/AML.

O artista – Marcell Powell, 34 anos, nasceu em Paris, mas foi registrado brasileiro. Iniciou o aprendizado no violão aos nove anos de idade. Aos 12 anos, teve a experiência da primeira gravação ao lado de Baden e de seu irmão, Philippe Baden Powell, no piano. Três anos mais tarde, lançaram outro CD em Tóquio, no Japão. O artista tem seis discos lançados no Brasil, Europa e Japão. Já atuou em 16 países entre América do Sul, Europa e Asia. Recentemente, lançou o CD “Violão, voz e Zé Kéti’’, acompanhado do cantor carioca Augusto Martins. Confira uma entrevista com o músico:


Você é filho do violonista Baden Powell e sobrinho de João de Aquino (Outro músico muito importante)… Foi muito difícil escapar da música na sua vida? O lance de, as vezes, estar associado à imagem da família powell, te incomoda de alguma forma?
A música foi um caminho que eu escolhi de livre e espontânea vontade, eu costumo usar uma frase (que não é minha) que diz assim: ‘Fiz da minha profissão o meu lazer, e nunca mais trabalhei’ …. ‘Escapar’ da música foi algo que nunca passou pela minha cabeça.. O Meu pai foi a pessoa que me ensinou o ofício da música, e do instrumento. O João de Aquino foi produtor do meu disco ‘aperto de mão’ e é uma pessoa com a qual eu tenho uma grande identificação musical. Não tenho nenhum tipo de problema em estar associado à família Powell, pelo contrário eu tenho muito orgulho e satisfação em pertencer a essa família.

Você também tem um projeto intitulado Marcel Powell Trio certo? Pelo fato de ser mais coletivo, é muito diferente do seu trabalho nos discos?
Cada disco tem o repertório diferente um do outro,embora todos sempre baseados na música brasileira, nesse trabalho eu atuo no formato de trio, violão, baixo e bateria, que é uma vertente das formações que eu atuo profissionalmente. Escolhi essa formação porque,ela me permitiu explorar vários ritmos Brasileiros como, Samba, baião, bossa nova, e choro,usando também o elemento da improvisação nesses ritmos, fazendo com que seja um trabalho universal, estabelecendo uma aproximação jazzística,mas brasileira sempre.

Quais são suas maiores influências hoje? Além das referências mais óbvias, tem alguém por exemplo, fora da música clássica/samba, que jamais imaginariam que te influencia também?
As minhas influências com o passar do tempo só vão aumentando, porque eu gosto bastante de estar antenado no que está acontecendo na música atual no mundo… Dentre os brasileiros eu gosto muito do Egberto Gismonti, João Bosco, Gilberto Gil, Dominguinhos, etc…..

Recentemente, você lançou o CD “Violão, voz e Zé Kéti’’ acompanhado do cantor carioca Augusto Martins… Como surgiu essa parceria? Poderia falar sobre o processo dos ensaios e da gravação?
O Augusto me Convidou para gravar esse trabalho,conheci o Augusto através de um amigo em comum que nós temos. Eu topei na mesma hora gravar o disco,e tão logo começamos os ensaios, decidimos tudo rapidamente, a obra do Zé Kéti é fantástica. Trabalhar com a obra de um compositor como o Zé Kéti é maravilhoso ,foi fácil de escolher as músicas que compõem o repertório do disco, pois todas são lindas, difícil foi escolher as que não iam entrar…..

O que o público pode esperar para o show dessa quinta em Londrina? Mais canções clássicas, surpresas no repertório?
O nome do show é ‘Só Baden’ ,é o meu novo show solo que já virou um disco que estou lançando,esse disco ‘Só Baden’ já está disponível em todas as plataformas digitais. O repertório do show e do disco é todo em homenagem ao Baden pelos 16 anos que estão se completando do falecimento dele esse ano. Vários clássicos do Baden estarão presentes no show, eu permeio o show com algumas histórias dos bastidores dessas canções….


A Temporada da Série Palcos Musicais é organizada pela Artis Colégium. Conta com patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura, por meio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic), Unimed e John Deere/ Horizon. O apoio é da Rádio UEL FM, CBN, Hotel Crystal, Londrina Convention, Brasiliano e Livraria da Silvia.