Por Bruno Leonel

‘O que acontece aqui hoje (Em Londrina) é uma coisa mais profunda, envolve o cidadão conseguir ocupar o espaço ocioso, não aceitar essa ideia do espaço sem nenhum tipo de função social’, conta o músico e jornalista Bernardo Pellegrini em um momento de conversa, instantes antes de subir aos palcos da ‘Festa da Okupa!’ Realizada no último domingo (11) na Vila Cultural Alma Brasil (Região central de Londrina). Com programação cultural intensa e a participação de diversos coletivos e artistas, o evento, que teve mais de 8 horas de apresentações musicais e performances artísticas. Pessoas de várias regiões da cidade, de várias idades e ligadas à vários estilos musicais (Indo desde o rap, samba e rock) marcaram presença em um domingo repleto de música e arte. Vale lembrar que era um domingo bastante concorrido; Só na região central, pelo menos três grandes eventos ofereciam música autoral de qualidade ao vivo; Como o Dog and Roll (Na Avenida Madre Leônia Milito) e a Barbada no Bar Valentino (Com a presença da banda Trombone de Frutas).

Logo cedo, o coletivo 'Pisada da Jurema' levou seu som repleto de ginga para o evento na Alma Londrina - Foto: Lucas Godoy
Logo cedo, o coletivo ‘Pisada da Jurema’ levou seu som repleto de ginga para o evento na Alma Londrina – Foto: Lucas Godoy

A festa teve o objetivo de angariar fundos para o financiamento colaborativo da Okupação do MARL, que desde 27 de junho okupa pacificamente e poeticamente o barracão localizado na Duque de Caxias, 3241 (Conhecido como antigo prédio da ULES). O objetivo do financiamento é viabilizar adequações no espaço referido, constituindo assim um ‘cantinho’ cultural popular, público e libertário na cidade de Londrina. Atualmente, a reunião de coletivos tem também uma campanha de financiamento coletivo. “A festa é uma forma de unir as pessoas, para que possam contribuir, mas de uma forma divertida. Há várias coisas da ocupação na decoração hoje aqui na Alma. Há mais ou menos um mês surgiu a ideia da festa. Não queríamos fazer lá, por não ter estrutura ainda, mas acabou rolando de usar a Alma, tem sido bem legal”, contou a atriz Camila Feoli integrante do Núcleo Ás de Paus, um dos coletivos envolvidos na organização do evento. Com uma programação eclética que foi aberta pelo som do Boi Estrela da Vila teve início por volta das 14h. Participaram do evento grupos como o Pisada da Jurema, o grupo Fugitivos da Cuíca que trouxe seus sambas clássicos, além de dar a deixa para vários presentes arriscarem passos de dança.

O grupo 'Fugitivos da Cuíca' resgatou alguns clássicos do samba com uma apresentação envolvente, ainda durante o período da tarde - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.
O grupo ‘Fugitivos da Cuíca’ resgatou alguns clássicos do samba com uma apresentação envolvente, ainda durante o período da tarde – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.

E, em seguida, contou com participação do veterano Bernardo Pellegrini acompanhado pelo Bando do Cão Sem Dono, já por volta das 20h. Em entrevista ao RubroSom, Bernardo, que acompanhou ‘in loco’ outras épocas de intensa efervescência política na cidade, falou um pouco sobre o atual momento do município; ” Desde criança eu ia ensaiar lá (No antigo prédio da ULES), então, é uma coisa que fez parte da minha vida, é uma tristeza ver aquilo abandonado. Esse tipo de atividade (Cultural) não mobiliza mercado, mobiliza outras coisas que são muito mais importantes, e que, nessa visão capitalista não tem tanto valor. Essas coisas organizam a vida das pessoas; Os laços afetivos, a sensibilidade das pessoas. Uma cidade agradável, uma cidade segura você consegue com solidariedade, com gente reunida, com isso que você está vendo aqui (Na festa), onde elas se expressam, onde elas tem espaço para ser o que elas são. Eu venho tocar em espaços assim com uma alegria muito grande, se eu pudesse só faria isso, fico feliz por ter uma juventude preocupada em realizar política junto da cultura. Não é conflito, é conquista de corações, de emoções… Assim que eu acho que podemos melhorar a sociedade”, contou o músico, instantes antes de subir ao palco da Alma Londrina.

Bernardo Pellegrini e o Bando do Cão Sem Dono durante apresentação na Alma Londrina - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.
Bernardo Pellegrini e o Bando do Cão Sem Dono durante apresentação na Alma Londrina – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.

Após o show do ‘Bando’, a programação contou ainda com duas atrações de peso; O grupo londrinense ‘Serumbando’ – Com uma mistura inteligente de poesia, e de ritmos brasileiros – fez uma apresentação empolgante com direito a momentos introspectivos intercalados entre sessões mais agitadas. Destaque para o ecletismo do grupo que contou com instrumentos diversos como escaleta, sopros e também percussão. A última atração da noite ficou por conta do ‘Caburé Canela’ que levou ao evento suas canções autorais repletas de lirismo e de groove.

Notório pelo experimentalismo e pelo uso de instrumentos variados (A banda conta com sete integrantes) o grupo Serumbando fez uma apresentação empolgante - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.
Notório pelo experimentalismo e pelo uso de instrumentos variados (A banda conta com sete integrantes) o grupo Serumbando fez uma apresentação empolgante – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.

Até o fechamento não havia sido divulgado o número total de pessoas presentes no evento. Ao fim, o que resultou no evento foi a boa música e a positiva troca de ideias entre os vários coletivos presentes. Durante o evento a cultura e o debate político, através da mobilização, dividiram o protagonismo em uma noite agradável e carregada de reflexões. As campanhas de arrecadação continuam.



Okupa MARL e Campanha de Financiamento colaborativo
A campanha das adequações do barracão do MARL traz 12 diferentes possibilidades de contribuir. Com valores entre R$20,00 e R$5 mil, a campanha vai durar 34 dias e é constituída de três “metas”. A primeira delas busca arrecadar R$20 mil e vai custear a reforma estrutural do prédio, os banheiros, portas e janelas, além dos itens de segurança. Com essa meta garantida, o MARL vai buscar mais $5 mil, que é o valor necessário para adequar o telhado do barracão. Por fim, com essa segunda meta alcançada, o MARL vai buscar o terceiro e último de seus objetivos, mais R5 mil. Totalizando R$30 mil, o Movimento vai adquirir móveis de escritório, e alguma estrutura de som e iluminação para o espaço. “O mais importante, sobre a campanha, é que ela é baseada no ‘tudo ou nada’, isso quer dizer que se não batermos a meta em sua totalidade, nós não levamos o dinheiro. Se ao final da campanha, nós arrecadarmos 19 mil reais, e não os 20, o dinheiro é devolvido aos participantes e a reforma não acontece”, explica Rogério Costa, um dos integrantes do MARL. “Por isso a nossa preocupação em dividir as metas em etapas, pra nós é imprescindível realizar pelo menos a reforma estrutural e garantir que a gente possa abrir as portas desse espaço cultural que nós tanto sonhamos em fazer funcionar”, completa.
 
Recompensas da cidade
Quando contribui com um dos 12 valores estipulados para a campanha, o colaborador recebe “recompensas” do MARL. Assim, entrando no site e contribuindo com R$50,00, por exemplo, o colaborador recebe em troca da sua contribuição um kit especial com bottons, zines, e objetos artesanais. Os valores variam e, com eles, variam também as recompensas. “A gente conseguiu reunir muitos parceiros para essa campanha. São músicos, artesão, grupos de teatro, artistas plásticos, escritores, muitas pessoas do movimento cultural londrinense que doaram objetos de sua autoria e de seu acervo para costruir a ‘lojinha do MARL’ e garantir as recompensas da nossa campanha”, conta Rogério.

Rede Brasileira de Teatro de Rua
Uma das maiores preocupações do Movimento é garantir que as adequações sejam realizadas ainda esse ano, até o final de novembro. O motivo principal é o XIX Encontro da Rede Brasileira de Teatro de Rua e Rede Paranaense de Teatro de Rua, que acontecem em dezembro (1 a 11 de dezembro), em Londrina e tem o MARL como anfitrião.

Como Contribuir
Para contribuir com a reforma do MARL, basta acessar o link https://benfeitoria.com/ okupamarl e escolher um valor entre R$20,00 e R$5 mil para contribuir. A plataforma permite mais de uma doação por pessoa e também é possível realizar contribuições como Pessoa Jurídica. A página reúne as informações sobre o projeto, o MARL e o barracão a ser reformado e, além delas, outras informações também podem ser encontradas em facebook.com/ movimentodosartistasderua. londrina.