Por Bruno Leonel

O prefeito de Londrina, Alexandre Kireeff, recebeu na manhã dessa quinta-feira (22), os projetos arquitetônicos e complementares doados por arquitetos e engenheiros de Londrina, para a adequação e acessibilidade do Teatro Zaqueu de Melo (Avenida Rio de Janeiro, 413, Centro). A solenidade foi realizada em conjunto com o tombamento histórico e cultural do primeiro prédio municipal de Londrina, a antiga Casa da Criança.

Londrina recebe projetos para acessibilidade do Teatro Zaqueu de Melo
Estiveram presentes na solenidade, a vereadora Elza Correia, o arquiteto responsável pelo projeto arquitetônico, Nelson Giácomo, o responsável pelos projetos de acústica e de sonorização, Angelo Galbiatti, e diversas autoridades – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

Foram entregues os projetos arquitetônicos, estrutural, elétrico, hidráulico, acústico, de sonorização e para instalação de ar condicionado no Teatro Zaqueu de Melo. Essa é a finalização da primeira etapa para a adequação do local. Eles servirão para a modernização e adequação da acessibilidade do Teatro e foram elaborados por engenheiros e arquitetos do Clube de Engenharia e Arquitetura de Londrina (CEAL) e outros autônomos. “É importante registrarmos a entregas dos projetos arquitetônico e complementares para que possamos promover a reforma do Teatro Zaqueu de Melo e, em especial, sua adequação aos requisitos de segurança e acessibilidade”, explicou Kireeff.

Segundo a secretária municipal de Cultura, Solange Batigliana, com os projetos arquitetônico e complementares garante-se um passo importante para a viabilização de recursos financeiros, pois eles são necessários na apresentação de propostas para a reforma do espaço. “Com os projetos garantimos a materialidade para a busca dos recursos necessários à contratação da obra de adequação e acessibilidade do teatro. Por isso, hoje, é um dia de muita felicidade, que representa o espírito de união e preocupação com a cidade, a participação de todos nós, poder público e sociedade civil, trabalhando para o bem da cidade”, acredita Solange.

O local foi reciclado na década de 1980 para que pudesse abrigar um teatro, pois antes, no espaço, funcionava o salão do júri do Fórum Estadual de Londrina. “O teatro além de ser tradicional em Londrina está dentro de um prédio público, em que agentes culturais podem usufruir de forma gratuita. Ele precisa passar por adequações, pois ele não nasceu teatro e tem alguns problemas. Com as melhorias, as questões de rampa de acesso, elevadores, degraus e outras adequações que facilitam o deslocamento de pessoas com necessidades especiais serão feitas, além de outras para melhorar a acústica e atender as normas de segurança”, explicou Vanda. Estiveram presentes na solenidade, além das autoridades mencionadas, a vereadora Elza Correia, o arquiteto responsável pelo projeto arquitetônico, Nelson Giácomo, o responsável pelos projetos de acústica e de sonorização, Angelo Galbiatti, o engenheiro resposnável pelo projeto hidraúlico, Marco Leite, engenheiro responsável pelo projeto elétrico, telefônico, SPDA e CFTV, Naziel Salustiano, o presidente do CEAL e apoiador dos projetos, José Fernando Garla, e a representante do Conselho Municipal de Preservação do patrimônio Cultural de Londrina, Amanda Salvioni.

(Com informações da Assessoria de Imprensa – N.Com)