Por Bruno Leonel

Em meio a um fim de semana de intensa movimentação cultural em Londrina – Impulsionada por eventos e oficinas realizadas em cada uma das 22 Escolas Estaduais ocupadas em todo o município (Este número chegou à 25 escolas ocupadas nesta segunda). Jovens e esportistas de toda a cidade compareceram à terceira edição do evento ‘Hip Hop sobre Rodas’ comandado por artistas durante todo o domingo na Escola Municipal Prof Ruth Lemos (Conjunto Luis de Sá). Com uma proposta itinerante (Ocorrendo em diferentes regiões, a cada edição), o evento levou artistas novos (E alguns já mais experientes) do rap para se apresentar no local, enquanto atletas participavam de um campeonato de skate no local.

Hip Hop sobre Rodas - Em tempos de crise, a cultura sobressai
O rapper M.Léo se apresenta, ainda no início da tarde, durante o 3º Hip Hop sobre Rodas – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.

“Estamos hoje em um momento muito conturbado na política do país, então, a gente evita ligar nosso trabalho á política (Essa ligada a partidos), é importante, mas vemos muito que as discussões não saem da teoria. Mas o rap sempre foi engajado, não é uma relação recente… É muito importante poder trazer isso para as escolas, e estamos aí! Somos um grupo novo, que tenta falar de coisas mais sérias e de ‘fora de quebrada’ também, não deixa de levar a mensagem para quem precisa ouvir… “, contou o músico Mike Oliveira (Morador da Região Oeste) integrante do grupo de rap ‘Origens’ junto com o rapper Marcelo Solmiro. Os dois fizeram uma apresentação enérgica, focando em letras de crítica e rimas incisivas, nas quais não faltaram críticas à problemas cotidianos das grandes cidades.

O duo 'Origens' fez uma apresentação bastante enérgica durante o evento, levando mensagens de crítica para o Hip Hop sobre Rodas - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
O duo ‘Origens’ fez uma apresentação bastante enérgica durante o evento, levando mensagens de crítica para o Hip Hop sobre Rodas – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

Diferente do que acontece em Colégios ocupados da cidade (Movimento realizado após o projeto de reforma no ensino médio, proposto pelo atual Presidente Michel Temer), na Escola Ruth Lemos, o espaço havia sido liberado pela direção que considerou a proposta do evento importante para a cidade. . Os estudantes devem realizar assembleias pelo estado para avaliar a mobilização e também escolher representantes para a formação de uma comitiva, segundo a diretoria da União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (Upes). Em 2016, outras duas edições foram realizadas em outros bairros da cidade. Desde 2015, o evento conta com o apoio do PROMIC “A gente sentiu que fazia falta esse tipo de ação, mais ligado ao que a gente faz que é o esporte e a música, até hoje é um sucesso. Começamos a profissionalizar também esse momento, escrevendo, participando de editais… Assim obtivemos recursos para melhorar a própria estrutura. A ideia é valorizar o jovem e o adolescente, para que ele possa ter acesso ao esporte, à música, para que ele não desista de sua arte, de suas ideias do seu skate… Nosso projeto é isso, é aberto para a participação de todos” explicou à reportagem o músico Valdir Almeida da Silva, (O Valdir Sujjim) um dos idealizadores do projeto. Também participaram do Hip Hop sobre Rodas, os Djs Samu, Damião Milianos e Kabessa;  No grafitti, Hugo Rocha e a equipe CapStyle.; Dançarino B.Boy Carlos Athila; Vários coletivos de rap  GPS / Nego Sujjo, Alpha Gueto / Banana Flow e Leandro Palmerah, que vão apresentar seus trabalhos solo, e outros grupos de rap, que vão apoiar o projeto, como, Wd e M.Leo de Londrina.

Atletas de várias idades competiram durante um campeonato de skate realizado durante o evento - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Atletas de várias idades competiram durante um campeonato de skate realizado durante o evento – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

Com uma programação variada, nomes mais novos da arte das rimas se uniram a outros já com um pouco mais de tempo de prática, como é o caso da rapper Gabriela Gagliasso, uma das únicas mulheres a se apresentar durante o evento. “Faz uns três anos que eu to envolvida nesse meio, comecei com a Batalha da Concha, agora faço algumas músicas também, com produções do Dj.Samu, com o pessoal do Uzi, sempre chamo os ‘parça’ ai pra fazer algo junto… Eu escrevo algumas letras já e faço o ‘freestyle’ também, mas prefiro mais escrever”, contou Gabriela à reportagem do Rubrosom. “É a terceira e última deste ano, mas, graças a deus é um projeto consolidado, que nasceu nas periferias mas que rodou vários bairros durante estes três anos de vida, com a comunidade participando, gente até de outras cidades comparece, agradeço sempre a todo mundo que contribui com a gente, aos patrocinadores e todo mundo… O evento tem levado essa coisa da ‘cultura urbana’ para dentro das escolas, ta tendo essa situação das ocupações nas escolas também (Devido às mudanças da PEC 241) mas você vê que a cultura se sobressai, mesmo em tempos de crise, a cultura supera isso, como falamos antes é quase uma ‘virada cultural’ nos Colégios, isso é bacana, a cultura vai norteando esses movimentos de estudantes”, contou Marcelo Banana Flow, um dos organizadores do evento à nossa reportagem.

Valdir 'Sujim' e Marcelo Banana Flow, da organização do Hip Hop sobre Rodas - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.
Valdir ‘Sujim’ e Marcelo Banana Flow, da organização do Hip Hop sobre Rodas – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.