Por Bruno Leonel

Com um nome inspirado em uma onomatopeia, e que reflete afinidade com temas ligados à literatura, e agora em novo endereço, a Vila Cultural Flapt inicia nesta segunda (18) a programação de suas atividades culturais de 2016. Situado agora no Conjunto habitacional Luiz de Sá (Região Norte) já há algumas semanas, o espaço agora está fixo em um local pertencente à associação de moradores do bairro, em uma área que beneficia a realização de atividades como a dança, teatro e música. “Enquanto espaço melhorou bastante. O espaço físico é melhor tanto interno como externo, é um espaço murado que já é muito bom para o trabalho com crianças, é uma segurança a mais. Pretendemos também revitalizar uma horta situada aqui no espaço além de também usar a área externa para eventos realizados pela Vila” comenta Luan Valeiro que é ator e também Vice-presidente da Ong Flapt. A Vila Cultural Flapt tem o apoio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PROMIC)

Membros da Flapt: Douglas Pinheiro (De vermelho em pé), Marco Antônio Nunes (Ao lado), Luan Valero (Sentado, de cinza) e ao lado dele Vanessa Nakadomari (Professora do Clube do Livro), Mirian Alves (Professora de Dança) e Franciele Vieira (Coordenadora da biblioteca comunitária).
Membros da Flapt: Douglas Pinheiro (De vermelho em pé), Marco Antônio Nunes (Ao lado), Luan Valero (Sentado, de cinza) e ao lado dele Vanessa Nakadomari (Professora do Clube do Livro), Mirian Alves (Professora de Dança) e Franciele Vieira (Coordenadora da biblioteca comunitária) – Foto: Bruno Leonel / RubroSom

A programação que inicia já nesta tarde com atividade de produção de artesanato voltada para crianças, terá atividades diversas que dialogam com várias formas de produção cultural. Oficinas de incentivo à Leitura (Clube do Livro) de teatro e até atividades envolvendo Maracatú (Com o Grupo Semente de Angola) e Hip Hop (No projeto ‘A rua dança a cidade’) marcam a programação (Veja cronograma completo a seguir). O novo endereço é também nova sede da biblioteca comunitária Biblioteca Abdias Nascimento. “Temos aqui várias publicações disponíveis, tanto da própria Flapt, desde a época em que era ‘Gibiteca de Londrina’ (Fundada em 2002) e outros livros voltadas para temas ligados à cultura de matriz africana” comenta Douglas Pinheiro, Presidente da ONG Flapt e responsável pela comunicação da vila.

Literatura Oral

Com um enfoque na leitura e também em atividades relacionadas, como a contação de histórias, a Companhia Boi Voador (Parceira da Flapt) já tem também algumas datas definidas para continuar com o projeto no mês de maio. “A oficina aqui que nós fazemos, que já tem esse lado mais formativo com as crianças, é o Clube do Livro. A gente tem essa base da literatura oral, que é como a parte afro-brasileira da literatura sobreviveu quando não podia ser escrita. E o projeto de contações vai focar nessas histórias que são contadas em terreiros e que, deveriam, ser difundidas no ensino regular. Muitas escolas se recusam, e ainda, até tem dificuldade em atender essa demanda que é exigida por lei. Nosso projeto tem o intuito de contribuir com isso” ressalta Valero, que também é diretor da Companhia.

Bacharel em estudos literários, a educadora Vanessa Nakadomari ao lado de alguns dos vários títulos publicados pela Flapt durante cerca de 14 anos de atividades - Foto: Bruno Leonel/RubroSom
Bacharel em estudos literários, a educadora Vanessa Nakadomari ao lado de alguns dos vários títulos publicados pela Flapt durante cerca de 14 anos de atividades – Foto: Bruno Leonel/RubroSom

Segundo ele, a Cia. está se reestruturando também. Nos últimos dois anos passaram a adotar um viés mais profissional. Segundo ele, essa mudança permitiu formar um repertório maior e poder trabalhar mais “Vimos essa contação de histórias como um viés mais acessível par a gente” ressalta o artista.

Programação completa - Foto: Divulgação
Programação completa – Foto: Divulgação

A programação envolve tanto membros da Vila Cultural, como também, pessoas do bairro que queiram colaborar e desenvolver projetos junto ao espaço. Membros da Flapt pensam também em realizar uma espécie de ‘cortejo’ pelo bairro de forma a chamar para as atividades da Vila e também atividades como o Maracatu e o artesanato (Cuja oficina é realizada por um colaborador do bairro). “Temos divulgado nossas atividades em escolas e em espaços em frente à escolas para tentar trazer mais crianças para o espaço. Todos os nossos projetos tem como base a cultura popular e então por isso a escolha dessas temáticas que acontecem na vila. O eixo maior da nossa companhia mesmo é o ‘Boi de Mamão’ por ser uma temática sulista, além de ser pouco divulgado por aqui” acrescenta Valero.


Serviço

Vila Cultural Flapt
Rua Lino Sachetin, 498 (Conj. Luíz de Sá)
Londrina, PR
Fone:(43) 9637-0081
Aberto: Seg a Sábado a partir das 14h