Por Bruno Leonel

Dezenas de pessoas participaram no último sábado (09) do Encerramento da Semana de Arte de Londrina, realizado durante a tarde (E começo da noite) no Aterro do Lago Igapó. O evento, organizado pela Vila Cultural Grafatório, durante toda a semana, promoveu diversas oficinas, intervenções e workshops ligados à temática das artes visuais em diferentes linguagens como fotografia, pintura, ilustração, intervenções urbanas e outras. Ao todo, a semana realizou um total de pelo menos sete oficinas artísticas (Algumas ocorrendo em mais de um horário) além de contar com diversos artistas de fora da cidade que participaram de atividades e conversas com outros profissionais.

Chama a atenção o caráter experimental e até subversivo de algumas das atividades realizadas. Entre trocas de ideias, experiências com foto, pintura e arte nas ruas, é sempre positivo ver atividades ligadas à reflexão e a arte sendo realizadas em Londrina, ainda mais, se tratando de espaços públicos que permitem mais pessoas tendo contato com os resultados.

Participantes do 'Circuito Expositivo' observam galeria de fotos (Feita em oficina do coletivo R.U.A) exposta nas paredes do terminal urbano, no centro de Londrina - Foto: Bruno Leonel/RubroSom
Participantes do ‘Circuito Expositivo’ observam galeria de fotos (Feita em oficina do fotocoletivo R.U.A) exposta nas paredes do terminal urbano, no centro de Londrina – Foto: Bruno Leonel/RubroSom

No sábado, o evento no Lago foi marcado pela intervenção Ambientes Infláveis, realizada pelos artistas Hugo Richard e Natali Tubenchlak (Niterói -RJ). Como o próprio nome sugere, uma grande instalação colorida (Com cerca de 5 metros de altura), feita com materiais como nylon e lona foi inflada e colocada no espaço dando um colorido inusitado à paisagem de quem passou por ali.

12980530_10207832053193275_1695208519_n
Vista externa da intervenção ‘Ambientes Infláveis’ de Hugo Richard e Natali Tubenchlak – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

Era possível também entrar em uma das intervenções e, através da transparência do material, observar parte da paisagem londrinense com um inusitado ‘filtro’ de cores mais vivas. “A gente já desenvolve esse trabalho há pelo menos cinco anos, é um trabalho de intervenção urbana. Ir para a rua e ter a mobilidade de levar pra diversos espaços. As cores são propositais, criar algo que tenha um impacto visual, tenha um estranhamento no meio da cidade. Criar um ruído dentro desse cotidiano que é automatizado, você coloca uma forma que ninguém sabe o que é e esse ‘parar e perguntar’ já tirou a pessoa daquele ritmo ao qual ela está acostumada. Nesse estranhamento, pensamos que podemos atingir alguns objetivos… ‘ cita Hugo Richard, um dos idealizadores da obra.

Visão interna da obra 'Ambiente Inflável' - De Hugo Richard e Natali Tubenchlak - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Visão interna da obra ‘Ambientes Infláveis’ – De Hugo Richard e Natali Tubenchlak – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

O sábado foi marcado também pelo início do Circuito Expositivo, através de um Ônibus gratuito que levou pessoas interessadas por um passeio pela cidade visitando alguns dos principais espaços onde, durante a semana, ocorreram intervenções e oficinas (Tanto na região central, como também nas regiões Sul e Oeste). Quem participou, pôde conferir obras realizadas durante as várias oficinas do evento feitas pelos artistas: TEC, Cripta Djan, Bil Lühmann, David Magila, Xilomóvel e R.U.A. Fotocoletivo.e mais. Um ‘mapa’ dos locais da cidade onde ocorreram as intervenções também foi distribuído, possibilitando assim, que pessoas pudessem acompanhar mesmo sem o coletivo. O transporte também parou para ver obras recebidas para a convocatória ‘PROCURA-SE LAMBE-LAMBE’.

A Semana de Arte de Londrina: Sobre-Cidade é uma realização do Grafatório e da DaP-UEL com o patrocínio do PROMIC – Programa Municipal de Incentivo à Cultura.