Mostra de Cênicas UEL – Temos que refletir sobre o nosso tempo, conta ator

Começa nesta segunda-feira (19) a 14ª Londrina Mostra de Teatro e Circo de Londrina, em comemoração aos 20 anos do Curso de Artes Cênicas da UEL. Abrindo a temporada, a Cia Cascalhos apresenta hoje a peça ‘O Jardim dos Girassóis Esquecidos’ na Divisão de Artes Cênicas da UEL, em Londrina.  A mostra foi organizada pela DAC, estagiários (Núcleo de produção) e turmas 01 e 02 do 1º ano de Artes Cênicas O espetáculo começa 20h, e a entrada é gratuita.

A peça 'O Jardim dos Girassóis Esquecidos' será apresentada nesta segunda - Foto: Fagner Bruno e Lucas Godoy
A peça ‘O Jardim dos Girassóis Esquecidos’ será apresentada nesta segunda – Foto: Fagner Bruno

A peça com dramaturgia assinada por Edilson Oliveira, que também atua, fala sobre a temática da violência urbana, em especial àquela que todos os dias tira a vida de pessoas que vivem nas periferias e que todos os dias são alvo de preconceito, seja ele social ou racial. A peça é resultado de um trabalho desenvolvido pelo ator para sua pesquisa de conclusão de curso, segundo Oliveira, o trabalho foi iniciado ainda em 2013. Edilson comenta sobre a programação, que ainda, inclui oficinas práticas. “Haverá também oficinas voltadas à performance cênica, e ainda, performance de bonecos. Atores e entusiastas podem participar mediante à inscrição”, contou Oliveira.

Nos poucos metros que andei pelo mapa, encontrei um jardim de girassóis esquecidos. Decidi regar os girassóis, pois, eles trazem em sua beleza, a simbologia da morte e da vida! Neste espetáculo, minhas inquietudes enquanto bicho humano e artista, entoa um canto para os girassóis, que foram silenciados pelo racismo institucional”, cita o relise da peça.  “É uma arte engajada e que discute e reflete sobre as questões políticas e sociais do nosso tempo. O que eu trago para a arte, é essa vontade de fomentar uma reflexão. Em pleno 2018 estamos numa conjuntura política, no estado de exceção e, vendo nossos direitos sendo retirados, negados, vozes sendo silenciadas e isso me gera um incômodo muito forte… Desde o primeiro momento, eu penso que temos que refletir sobre o nosso tempo, e sobre o lugar onde eu moro. Desde 2013 venho trabalhado com essa temática, fiz pesquisas e conversei com várias pessoas ligadas à casos de violência, inclusive em outras cidades…”, contou Edilson “

Além da programação de apresentações, há também oficinas e outras atividades formativas, com inscrições abertas para atores e entusiastas da área. Confira no evento.


SERVIÇO
14ª Londrina Mostra de Teatro e Circo
Jardim dos Girassóis Esquecidos – Segunda (19) Divisão de Artes Cênicas
De 19 de março à 1 de abril

A mostra conta com a presença de espetáculos do cenário londrinense, incluindo artistas em formação e graduados pelo curso de Artes Cênicas da Universidade Estadual de Londrina.
Programação completa disponível no EVENTO

Promic – Cultura publica edital para Projetos Independentes

A Secretaria Municipal de Cultura (SMC) abre inscrições para o processo de seleção de bolsistas que vai até 15 de março, para desenvolvimento de projetos de estudo e pesquisa, no âmbito dos Projetos Culturais Independentes. Os trabalhos selecionados serão beneficiados pelo Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PROMIC), e devem iniciar em 2018 com prazo de execução até março de 2019.

Em reunião na última segunda-feira (5), foi divulgada previsão de publicação dos novos editais - Foto: Arquivo/Rubrosom
Em reunião na última segunda-feira (5), foi divulgada previsão de publicação dos novos editais – Foto: Arquivo/Rubrosom

O edital para seleção de projetos nº 002/2018, foi publicado na edição nº 3.457 do Jornal Oficial do Município desta sexta-feira (9). O documento pode ser acessado na página do Portal da Prefeitura.

A concessão de bolsas para execução dos Projetos Culturais Independentes foi viabilizada pela Lei Municipal 12.638/2017. Essa legislação permite que o Município conceda bolsas de estudo e pesquisa para o desenvolvimento de projetos ambientais, tecnológicos, culturais e de inovação.

Além do edital de independentes, os próximos editais previstos são os relacionados á linha de projetos Estratégicos (Vilas Culturais); Previsto para a 3ª semana de março, Estratégicos e independentes (Audiovisual), em sistema feito via ‘Termo de Fomento’; Previstos para a 2ª semana de abril, e o edital de Estratégicos (Carnaval), que deve ser publicado na 2ª semana de maio. Mais informações devem ainda ser divulgadas sobre os novos editais.

O secretário municipal de Cultura, Caio Cesaro, destacou que a criação desta legislação foi resultado de um trabalho em conjunto, realizado pela secretaria com o Conselho Municipal de Política Cultural. “Essa legislação possibilita, em especial, que o Município faça a retomada dos trabalhos de fomento à cultura desenvolvidos por pessoas físicas”, ressaltou.

O edital de Projetos Independentes do Promic está oferecendo 78 bolsas de estudo e pesquisa. Os projetos inscritos devem se enquadrar em uma das seguintes linhas do edital: Criação/Produção; Circulação/Difusão, nos formatos Circulação Livre, Circuito municipal e Intercâmbio; Atividades Formativas; Preservação do Patrimônio Material e Imaterial; e Iniciação Artística.

O montante total de recursos disponibilizado para os Projetos Independentes é de R$1.600.000,00, advindos do Fundo Especial de Apoio a Projetos Culturais. Os valores foram divididos da seguinte forma, para cada uma das linhas: 16 bolsas em Criação/Produção, totalizando R$330.000,00; 36 bolsas em Circulação/Difusão, com total de R$900.000,00; 11 bolsas de Formação, total de R$170.000.00; 5 bolsas de Preservação do Patrimônio Material e Imaterial, no valor total de R$ 130.000,00; e outras 10 bolsas em Iniciação Artística, que totalizam R$ 70.000,00.

Estas bolsas serão concedidas para as áreas culturais contidas na Lei 8.984/2002, que são Artes de Rua, Artes Plásticas, Artes Gráficas, Artesanato, Cultura Integrada e Popular, Circo, Dança, Música, Teatro, Fotografia, Literatura, Mídia, Patrimônio Cultural e Natural, e Hip Hop. As áreas de Cinema e Videografia serão objeto de edital específico.

A proposta do projeto pode ser integrada a mais de uma área, desde que a indicação da área preponderante conste no Plano de Trabalho. E cada proponente terá direito a apenas uma bolsa.

Inscrições – Poderá se inscrever ao edital de Projetos Independentes produtores culturais pessoa física, com idade igual ou superior a 18 anos. No caso de inscrição de coletivos culturais, será preciso indicar um representante pessoa física, com o currículo do coletivo. Os proponentes devem estar cadastrados no portal Londrina Cultura, disponível no link www.londrinacultura.londrina.pr.gov.br.

Para a inscrição, cada proponente deverá entregar, no período de 14 de fevereiro a 15 de março, envelope lacrado contendo uma via do Plano de Trabalho, devidamente preenchido e assinado; documentação do proponente e do projeto, conforme exigido pelo edital.

O envelope deve ser entregue na sala da Diretoria de Incentivo à Cultura da SMC, localizada na Praça Primeiro de Maio, 110, centro. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 12 às 18 horas.

O Plano de Trabalho e demais documentos exigidos pelo edital 002/2018 estão disponibilizados na página da Secretaria Municipal de Cultural, no Portal da Prefeitura de Londrina, e podem ser acessados pelo link www.londrina.pr.gov.br/promic/editais. Os documentos e formulários também podem ser solicitados através do e-mail promic.cultura@londrina.pr.gov.br, ou gravação em pendrive, que deve ser fornecido pelo proponente.

Processo de seleção – As propostas recebidas dentro do período de inscrição serão analisadas por membros da Comissão de Análise de Projetos Culturais, com base nos critérios indicados na lei municipal nº 8.984/2002 e no decreto municipal nº 35/2018. Dentre eles, a relação custo-benefício, importância para a cidade, criatividade, clareza e coerência nos objetivos, e outros.

Os proponentes de projetos selecionados deverão firmar termo de compromisso cultural com a Prefeitura de Londrina. A documentação exigida para celebrar o termo precisa ser apresentada em até 10 dias úteis após a publicação do edital de bolsistas selecionados.


Leia também

Cultura divulga previsão da publicação de novos editais

Palhaços – Companhia de Londrina é premiada em festival do Piauí

Pelo segundo ano consecutivo, a companhia ‘Os Palhaços de Rua’, de Londrina, foi premiada no 6º Festival  Nacional de Teatro do Piauí. O espetáculo intitulado ‘Vikings e o Reino Saqueado’ levou os prêmios de melhor ator, para Adriano Gouvella e Lucas Turino (Adriano foi o ganhador desse mesmo prêmio na edição passada do festival).

A peça também foi premiada na categoria de melhor maquiagem, e ainda, teve indicações nas categorias de de melhor Dramaturgia, Direção e Figurino. “O processo de concepção do espetáculo veio da ideia de fazer algo diferente dentro do universo do palhaço, e como artistas sentimos a necessidade do nosso trabalho refletir, dialogar, provocar e indagar o nosso tempo, os dias em que estamos vivendo, ainda mais a figura do palhaço que é por si só provocadora, crítica, sarcástica, reflexiva e ao mesmo tempo…” contou o ator Adriano Gouvella, integrante da companhia.

Segundo os atores, a serie "Vikings" do History Channel, foi uma inspiração para a peça que mistura referências históricas com a ideia de ironia e crítica típica de espetáculos com palhaços - Foto: Daniele DiasSegundo os atores, a serie “Vikings” do History Channel, foi uma inspiração para a peça que mistura referências históricas com a ideia de ironia e crítica típica de espetáculos com palhaços – Foto: Daniele Dias

Foi a segunda participação do grupo londrinense, no evento que ocorreu na cidade de Floriano, e é um dos mais importantes da região. Ao todo, 31 grupos de teatro participaram do festival totalizando mais de 150 artistas de todas as regiões do país. Em um ano turbulento para coletivos e grupos de Londrina, Adriano contou à reportagem que tais prêmios reforçam a importância da pesquisa e trabalho feitos com o coletivo. E fique ligado, a peça estreia em Londrina, no dia 23/12 às 11h na Praça Floriano Peixoto, ao lado da Catedral, com entrada gratuita.

Veja entrevista a seguir:

Vocês estrearam um novo espetáculo ‘Vikings e o Reino Saqueado” e foram premiados, no 6° Festival Nacional de Teatro do Piauí… Quantas vezes já estiveram no festival?
Sim, estreamos o espetáculo lá, mas não éramos os únicos do Paraná, havia mais um grupo de Foz do Iguaçu. Essa foi nossa segunda participação no festival.

A peça em questão, cruza elementos da cultura nórdica viking e a arte do palhaço como proposta estética e base para discutir relações humanas… Como surgiu a ideia de misturar essas referências, aparentemente, tão distantes?? Tem algum autor ou coletivo que influenciou o trabalho de vocês nessas misturas?
A ideia de misturar essas referências surgiu quando começamos a nos questionar sobre a situação atual do país e como poderíamos trabalhar isso sendo palhaços, nessa mesma época estávamos assistindo ao seriado “Vikings” do History Channel, que gostamos muito e a partir daí começamos a relacionar um tema com o outro e ir mais a fundo na pesquisa. Esta mistura partiu de nós mesmos, não teve algum autor ou alguém que influenciou, mas a pesquisa se pauta no autor “James Graham-Campbell” e alguns dos seus livros sobre a cultura viking, além da atual situação do Brasil que acaba de passar por um golpe de estado.

Falando de Londrina especificamente, foi um ano um pouco complicado para produtores culturais em geral (houve o cancelamento do Promic e uma serie de outras questões)… A Cia Palhaços de Rua também se viu prejudicada em meio à tantas dificuldades?
Sim, foi um ano bem turbulento para a cultura no país todo e em Londrina não foi diferente; a Cia. foi prejudicada em seus projetos assim como vários produtores culturais da cidade. O PROMIC sempre foi um exemplo de incentivo a cultura, mas vem sendo ameaçado ultimamente e isso faz com que pensemos quais as pessoas que realmente estão ao lado do povo? Quais são os interesses destas pessoas? Quem de fato apoia a cultura? E quem quer desmonta-la?

Foi o segundo ano consecutivo premiado (e com nomeações no festival), do ponto de vista da pesquisa/estudo que vocês fazem, em tempos de recessão pra cultura, esses festivais ganham ainda mais importância talvez? (no sentido de promover a circulação dos espetáculos, etc…). Pode comentar sobre?
Sim, foi o segundo ano consecutivo no festival e com premiações e indicações importantes, isso para nós é uma felicidade muito grande e reforça ainda mais a qualidade dos trabalhos artísticos que são produzidos em Londrina. Em tempos sombrios em que a cultura vem sofrendo um desmonte em nível nacional, esses festivais são um respiro de sobrevivência e resistência! Com certeza ganham ainda mais importância nestes tempos de recessão; eles promovem o encontro entre artistas e, entre artistas e público, promove debates de ideias, trocas artísticas, políticas, culturais, sociais e novas perspectivas.

Como foi o processo de concepção da ideia toda? – Lembro que no fim de 2016 vocês já estavam desenvolvendo a montagem toda…
O processo de concepção veio da ideia de fazer algo diferente dentro do universo do palhaço, e como artistas sentimos a necessidade do nosso trabalho refletir, dialogar, provocar e indagar o nosso tempo, os dias em que estamos vivendo, ainda mais a figura do palhaço que é por si só provocadora, crítica, sarcástica, reflexiva e ao mesmo tempo poética. Sim, realmente no fim do ano passado já conversávamos sobre esse projeto e aí colocamos a mão na massa de fato em janeiro desse ano até o presente momento, foi um ano de trabalho até a estreia. Chamamos alguns profissionais para se juntar ao nosso time e assim veio a parceria por exemplo, com o figurinista Alex Lima, que fez um trabalho extraordinário em conjunto com nossa pesquisa, não só ele mas o marceneiro Caio Blanco e muitas outras pessoas talentosas que estão envolvidas em todo processo.

Pelo segundo ano consecutivo, a Cia. Os Palhaços foi premiada no Festival Nacional do Piauí - Foto: Divulgação
Pelo segundo ano consecutivo, a Cia. Os Palhaços foi premiada no Festival Nacional de Teatro do Piauí – Foto: Nayara Fabrícia

E os projetos para o próximo ano? Além dos ‘Vikings e o Reino Saqueado”, vocês seguem circulando com outros espetáculos ainda certo?
Além dos “Vikings e o Reino Saqueado” seguimos apresentando nosso primeiro espetáculo o “Números” e a contação de história “O Coronel e o Barbeiro”, também ministramos algumas oficinas como: circo, palhaço, acrobacias, parada de mão, malabares e capoeira. Recentemente chegamos de Campina Grande na Paraíba e de Bauru-SP onde fizemos seis apresentações do espetáculo “Números” que teve grande aceitação por parte do público e atendeu várias comunidades carentes e distritos destas duas cidades.

Só pra concluir, quanto tempo tem já a companhia?  Daria pra citar estados (ou até outros países) por onde já se apresentaram??
A Cia. Os Palhaços de Rua completou 4 anos de existência, já realizamos 95 apresentações do espetáculo “Números” e já apresentamos nos estados do: Acre, Rondônia, Pernambuco, Piauí, Paraíba, Ceará, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo e Paraná. Para ano que vem tem novidade internacional surgindo por aí…

Projeto londrinense recebe prêmio do MinC

O projeto Batuque na Caixa, juntamente com seu  fundador Aldo, foi premiado com nota máxima no Prêmio Nacional Culturas Populares 2017, concedido pelo Ministério da Cultura.

O resultado foi publicado no Diário Oficial da União nº 227 e no site do Minc, na última semana, e que nas palavras do Ministro Sérgio Sá Leitão é o maior prêmio já concedido pelo órgão em sua história.

O batuque na caixa recebeu a nota 100 pelo conteúdo de suas oficinas que contemplam formação musical, iniciação teatral e incentivo à leitura; pela inclusão social e pelas parcerias com artistas, instituições nacionais e internacionais e pelo resgate de ritmos brasileiros - Foto: Divulgação
O batuque na caixa recebeu a nota 100 pelo conteúdo de suas oficinas que contemplam formação musical, teatral e incentivo à leitura – Foto: Divulgação

Concorreram 2862 projetos de todo o Brasil, no âmbito da enorme diversidade cultural que abrangem os Estados e os povos do país. O batuque na caixa recebeu a nota 100 pelo conteúdo de suas oficinas que contemplam formação musical, iniciação teatral e incentivo à leitura; pela inclusão social e pelas parcerias com artistas, instituições nacionais e internacionais e pelo resgate de ritmos brasileiros.

O fundador e coordenador Aldo Moraes é músico, jornalista e poeta com prêmios recebidos no Brasil, Áustria, França e Suíça - Foto: Divulgação/Facebook
O fundador e coordenador Aldo Moraes é músico, jornalista e poeta com prêmios recebidos no Brasil, Áustria, França e Suíça – Foto: Divulgação/Facebook

O batuque foi criado em 1999 como forma de democratizar o acesso à cultura para crianças e adolescentes e já atendeu 7.500 alunos gratuitamente em Londrina e outras cidades da região. Este ano, o projeto também foi finalista do Prêmio Itaú Unicef e Moraes foi homenageado pela Assembléia Legislativa do Paraná, na semana da consciência negra. (mais…)

Teatro – Histórias de Pescador é apresentada hoje em Londrina

Dentro da programação do Festival da Escola Primeiro Encontro, em Londrina, acontece hoje a apresentação teatral/musical Histórias de Pescador na Casa de Cultura da UEL (Divisão de Artes Cênicas). A apresentação é a partir das 20h.
24282208_10212166505610822_1261464082_n

A história se passa em uma ilha deserta, onde o sol desmaia e o rio se mistura com o mar… As lendas intrigam uma regra, a de não se relacionarem entre si. O Boto se apaixonou pela rainha das águas. Nicanor, o prometido das donzelas também não resistiu aos encantos de Iara e, não sabendo de seu compromisso com o Boto, se enfiou pelas águas, águas que ninguém sabe até hoje se são doces ou salgadas. O final dessa história ninguém conta direito, ou ninguém tem certeza mesmo se ele é real. A peça tem direção de Paulo Vitor Poloni e Gabriela Catai. Além de Guilherme Villela como músico acompanhante.


SERVIÇO
Histórias de Pescador – Festival Primeiro Encontro
Sexta (01) na Casa de Cultura da UEL (Divisão de Artes Cênicas)
Horário 20h
(Preços não divulgados)

Teatro – Cia L2 apresenta Da Pele ao Barro na Usina

A companhia teatral L2, de Londrina, apresenta nesta sexta (24) e sábado (25) a peça ‘Da Pele ao Barro’. O espetáculo surgiu a partir da investigação do estatuário de Camille Claudel. Cada novo quadro de esculturas esboça nuances de situações enfrentadas pela mulher e a conquista de seu espaço na sociedade artística do séc. XIX.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Nesta montagem, a companhia (na ativa desde 2010) realiza um trabalho de investigação dos músculos para construção e desconstrução das esculturas, aproximando os corpos dos atores a argila e ao gesso. Esculturas pulsam, vivem. Nos dois dias, a peça inicia às 20h, com entadas a R$ 5 (disponível na bilheteria a partir das 19h) – Classificação indicativa 14 anos.

O elenco é formado pelos atores: Bianca Ribeiro, Gabriel Paleari, Giovanna Stocco, João Mosso, João Rodarte, Julia Malu, Laiz Ferreira, Ronald Rosa,Tatiana Oliveira. O figurino é assinado pelo coletivo com execução de Lenita Costa. Sonoplastia de Bruno Garcia e Giovana Stocco, iluminação e direção por Thainara Pereira (com assistência de Lucas Manfré) e orientação de Aguinaldo Moreira de Souza.


Da Pele ao Barro – Cia L2
A partir das 20h na Usina Cultural em Londrina
Entrada: R$ 5

Teatro – Companhia O Que Será de Nós?! realiza apresentação em Londrina

A companhia teatral O Que Será de Nós?!  de São José do Rio Preto apresenta neste feriado o espetáculo Adondedormem na Ddirigido pelo ator/ diretor e palhaço, Ricardo Puccetti (Teatro Lume). Em cena estão os palhaços Tatugambetta (Bruno Cavalcanti) e Dona Miúda (Fernanda Missiaggia). Ambos são atores formados em Artes Cênicas pela Universidade Estadual de Londrina. A apresentação é a partir das 20h30 na Feira da Lua no Zerão. No dia 18, o grupo ainda se apresenta na Praça Marechal Floriano Peixoto, em Londrina

Os dois atores, Fernanda e Bruno, que já pesquisavam esta linguagem, principalmente através do palhaço, desde o período da universidade, se uniram ao interesse de Beatriz para formarem a companhia - Foto: Jorge Eetecheber
Os dois atores, Fernanda e Bruno, que já pesquisavam esta linguagem, principalmente através do palhaço, desde o período da universidade, se uniram ao interesse de Beatriz para formarem a companhia – Foto: Jorge Eetecheber

A Cia O que Será de Nós?! formou-se a partir da necessidade dos atores Fernanda Missiaggia, Bruno Cavalcanti e Beatriz Magosso em pesquisar e experimentar mais sobre a linguagem do cômico.

Além da pesquisa sobre o cômico, foco principal da Cia, a partir de um convite do SENAC Rio Preto em 2014, para uma apresentação na Semana do livro, a Cia fez um trabalho sobre a temática da literatura marginal, desta pesquisa construíram o exercício cênico “Vermelho Queimado”, que foi apresentado no final de 2015 no evento “Breu”, realizado pelo SESC Rio Preto.

Atualmente a Cia possui em seu repertório, além dos dois espetáculos citados acima, as cenas curtas:  “Comendo Dona Miúda”, um solo de palhaço, encenado por Fernanda Missiaggia, que surgiu na prática do seu Trabalho de Conclusão de Curso, durante a Universidade, e foi apresentado no Festival Grito Rock e na Semana Alternativa, dois eventos realizados em São José do Rio Preto; “Adondedormem”, a cena curta do espetáculo que estreou em Abril de 2016, com esta cena se apresentaram no Festival Curta Cenas de Sumaré ganhando o prêmio de melhor caracterização, e no Festival Arena Cacilda, em São José do Rio Preto. O espetáculo de palhaços “ADONDEDORMEM” estreou no dia 24 de Abril de 2016, no Sesc Rio Preto. Este espetáculo tem direção do ator, palhaço e diretor do LUME Teatro, Ricardo Puccetti, tem formato de Rua e é livre para todos os públicos.


Serviço:
Evento: Espetáculo: “Adondedormem”
Quando e onde: 15/11, às 20h30 – Feira da Lua/Zerão
18/11, às 11h – Praça Marechal Floriano Peixoto
Realização: Divisão de Artes Cênicas/Casa de Cultura da UEL

Oficina: Iniciação a Palhaçaria
Ministrantes: Bruno Cavalcanti e Fernanda Missiaggia
Quando: de 15 a 18/11, das 14h às 18h
Onde: Divisão de Artes Cênicas (Av. Celso Garcia Cid, 205)
Inscrição: através de carta de intenção e currículo resumido pelo e-mail ciaoqueseradenos@gmail.com
Vagas: 15
Valor: R$ 50,00

Oficina: Produção Executiva
Ministrante: Fernanda Missiaggia
Quando: de 16 a 17/11, das 19h30 às 21h30; 19/11, das 9h às 12h
Onde: Divisão de Artes Cênicas (Av. Celso Garcia Cid, 205)
Público-alvo: iniciantes na área (não é necessário conhecimento ou experiência prévios)
Inscrição: através de carta de intenção e currículo resumido pelo e-mail ciaoqueseradenos@gmail.com
Vagas: 25
Valor: R$ 40,00

Teatro – Zona do Grotescko é apresentada hoje no Canto do Marl

Continuando a programação da VIII Mostra Marl, a Zona do Grotescko vai se apresentar o episódio “Sonhar Não Custa Nada”, neste sábado (11) de novembro de 2017, às 20h30, no Canto do Marl.

Zona do Grotescko é apresentada
O espetáculo será apresentado neste sábado no Canto do Marl – Foto: Divulgação

Um pequeno cabaré de beira de estrada onde transitam personagens que surgem como metáfora de um Brasil atual: Dona Gertrudes, uma vendedora de embutidos preconceituosa; Tinderella, uma dançarina que sonha com a fama; Grotesko, o gerente manipulador; Gaudério, o cliente libidinoso; e Ninette, uma espiã tendenciosa. Coordenação: Silvio Ribeiro. Direção: Carol Ribeiro. Elenco: André Oliveira, Bruna Paes, Felipe Louro, Igor Silva, Thaís Artoni e William Monfredini.

Um pequeno cabaré de beira de estrada onde transitam personagens que surgem como metáfora de um Brasil atual: Dona Gertrudes, uma vendedora de embutidos preconceituosa; Tinderella, uma dançarina que sonha com a fama; Grotesko, o gerente manipulador e muito mais - Foto: Divulgação
Um pequeno cabaré de beira de estrada onde transitam personagens que surgem como metáfora de um Brasil atual: Dona Gertrudes, uma vendedora de embutidos preconceituosa; Tinderella, uma dançarina que sonha com a fama; Grotesko, o gerente manipulador e muito mais – Foto: Divulgação

Com elenco composto por alunos e ex-alunos da Escola Municipal de Teatro de Londrina da Funcart, o episódio apresenta um pequeno cabaré de beira de estrada em estado de falência. Eis que surge um salvador, ou melhor, uma salvadora, que alimenta a esperança de reerguer a zona. Toda a saga faz uma alusão à atual situação do Brasil, transformando em piada a fase crítica do país. A coordenação é de Silvio Ribeiro e a direção, de Carol Ribeiro.

FICHA TÉCNICA:
Direção: Carol Ribeiro
Coordenação: Silvio Ribeiro
Atores: André Oliveira, Bu Paes, Felipe Louro, Igor Silva, Thaís Artoni Martins e Willian Monfredini
Participação Especial: José Silva
Fotos: Daniela Paiva
Classificação indicativa: 18 anos


SERVIÇO
Zona do Grotesko – Sonhar não Custa Nada
Hoje 20h30 no Canto do Marl (entrada free)

Mostra Marl – Quando o Coração Transborda terá apresentações gratuitas hoje e terça

Começa nesta segunda-feira a Mostra MARL VII. O evento receberá o grupo teatral Esquadrão da Vida de Brasília-DF para um interessante intercâmbio que inclui oficinas e apresentação aberta ao público. O espetáculo teatral “Quando o Coração Transborda” é criado a partir de textos, músicas, cartas e lembranças, Maíra Oliveira reflete sobre o ofício do ator, aborda temas intimamente ligados à sociedade brasileira contemporânea e reconstrói sua trajetória como atriz, relembrando um pouco da história do grupo Esquadrão da Vida e da relação com seu pai, o grande criador Ary Pára-Raios.

 

Quando o coração transborda é uma peça intimista, criada para ser representada em pequenos teatros, com músicas executadas pela própria atriz. Maíra Oliveira toca viola caipira e violão e canta em cena, num grande encontro informal com a plateia. Lembrando sua história no teatro, as apresentações com o Esquadrão da Vidae com seu pai, as dificuldades vividas para chegar até este momento, Maíra deixou seu coração transbordar. Em cena.

SINOPSE A partir de textos, músicas, cartas e lembranças, Maíra Oliveira reflete sobre o ofício do ator, aborda temas intimamente ligados à sociedade brasileira contemporânea e reconstrói sua trajetória como atriz, relembrando um pouco da história do grupo Esquadrão da Vida e da relação com seu pai, o grande criador Ary Pára-Raios.

O espetáculo é estrelado e codirigido por Maíra Oliveira - Foto: Divulgação
O espetáculo é estrelado e codirigido por Maíra Oliveira – Foto: Divulgação

O grupo fundado em 1978 foi pioneiro na abordagem de temas como o resgate e a valorização da cultura popular, a denúncia de exclusão de uma parte importante da sociedade dos espaços culturais tradicionais, a conscientização ecológica, dentre vários outros temas que ainda hoje ocupam os debates no mundo. Em sua linguagem, incorpora elementos expressivos das festas populares e de saltimbancos, como acrobacia, música e dança. Para saber mais sobre o grupo acesse o blog da companhia.


O que: Espetáculo teatral “Quando o Coração Transborda”.
Quando: 06 e 07 de novembro (segunda e terça-feira).
Horário: 20hs.
Quanto: Gratuito. Retirada de ingressos com uma hora de antecedência.
Onde: Canto do MARL (Av. Duque De Caxias, 3241).
Recomendado: maiores de 14 anos.

Espetáculo ‘Baseado em Fatos Reais’ é apresentada hoje

A Cia L2 em parceria com a Divisão de Artes Cênicas UEL e com o Núcleo de Pesquisa em Expressão Corporal (NPEC) , apresenta em Londrina o espetáculo “Baseado em Afetos reais” neste sábado! A peça tem como espinha dorsal o possível idílio entre dois dos maiores ícones artísticos de todos os tempos, Federico García Lorca e Salvador Dalí. É às 20h

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Fugindo de reducionismos homoeróticos e de transliterações paradigmáticas, o NPEC e seus autores-diretores construíram cenas a partir das corporeidades presentificadas, epitomando partituras cheias de fisicalidade, que dialogam com as vanguardas artísticas nascentes da primeira metade do sec. XX: um cortejo elegíaco que sugere o regionalismo flamenco de Lorca; um aglomerado de corpos que lembram Guernica; um quadril que se insinua já fora do toureador aqui, ombros parelhos não mais militares agora carentes de escora ali, mãos espalmadas, outrora ocupadas com leques e castanholas vão agora tateando a baioneta. Ilustrações sumamente referentes deflagram o psicodrama: amor e morte juntos tornam-se os mais democráticos fenômenos humanos.

FICHA TÉCNICA
Direção: Danilo Alves
Dramaturgia: Cléber Tasquin
Orientação geral: Naiene Sanchez
Orientação cênica: Aguinaldo de Souza e Heitor Junior
Pesquisa: Cléber Tasquin e Flávia de Azevedo
Produção: Ricardo Orso
Iluminação: Ricardo Chocolate
Sonoplastia: David Cícero
Cenografia: José Antônio Barbosa
Figurino: Npec
Maquiagem: NPEC


SERVIÇO
Na Divisão de Artes Cênicas da UEL – Av. Celso Garcia Cid, 205.

Dias: 21 e 22 de outubro
Horário: 20 hrs
Ingressos: 10,00 inteira, 5,00 meia (disponível antecipadamente com integrantes da Cia L2)