Por Bruno Leonel

A partir desta sexta-feira (16) até o dia 25 de setembro, Londrina receberá a primeira edição do evento AHEAD, apresentado como um ‘festival inovador’ que unirá linguagens diversas como música, design e até palestras voltadas à moda e design brasileiros.

Evento será realizado em um espaço reformado na rua Maragogipe (Centro de Londrina) - Foto: Divulgação
Evento será realizado em um espaço reformado na rua Maragogipe (Centro de Londrina) – Foto: Divulgação

Segundo a divulgação, o evento, totalmente gratuito reunirá no mesmo espaço shows, exposições de arte e design e eventos de moda e tendências que estão despontando na cena cultural brasileira. Um antigo armazém de café (Situado na Rua Maragogipe, em Londrina) foi totalmente adaptado e remodelado para receber o evento, com o tema “Quem te inspira” – O ‘mote’, inclusive, pode já ser visto em pinturas pela cidade como na frente da Usina Cultural e em outros locais estratégicos.

Na programação algumas atrações musicais de destaque no cenário nacional – Como Silva, o paraense Jaloo, além de artistas como Rico Dalasam, o grupo de rap Tropkillaz e a talentosa Mahmundi (vencedora do Prêmio Multishow da Música Brasileira em 2014) – Se unirão à outros gêneros mais ‘fora de eixo’ como o duo de Heavy/Blues/Rock/Stoner, Muñoz;, The Red Boots; a banda Ego Kill Talent; a goiana Black Drawing Chalks, e ainda Flora Matos. Nomes londrinenses não ficam de fora e, assim, o Ahead se mostra também conectado à talentos locais da cidade; A londrinense Red Mess, alguns DJs da cidade e eventos como Funk Me e Barbada contarão como parte da programação. O festival AHEAD terá ainda exposições e intervenções de artistas plásticos como Chico Santos, Thais Arcangelo e Curió. Todos os shows terão entrada gratuita, bastando apenas se cadastrar no site. (Confira programação completa no evento e no site).

Algumas atrações de destaque, no cenário nacional, se juntam à nomes londrinenses na programação - Foto: Divulgação.
Algumas atrações de destaque, no cenário nacional, se juntam à nomes londrinenses na programação – Foto: Divulgação.

Para alguns, o evento gerou mais dúvidas do que certezas. Como foi possível viabilizar um evento deste porte e sem cobrar entrada do público? Porque justamente escolher Londrina para a realização deste primeiro evento? Pensando nestas e outras questões, o Rubrosom conseguiu contato, exclusivo, por e-mail com Décio Freitas, diretor de novos negócios da Mutato (Empresa responsável pelo Ahead) afim de tirar algumas dúvidas sobre este festival que, logo após a divulgação, gerou grande repercussão nas redes sociais ligadas à programação cultural da cidade. Seria possível realizar um evento deste porte minimizando custos ao público? Tudo indica que sim, e nesta entrevista, você ficará sabendo mais sobre o festival. Confira:


Qual é a empresa que está promovendo o evento? As atrações todas e o conceito do ‘Ahead’ são parte de algum tipo de ação de marketing ou mercado?
O evento é realizado pela Mutato, uma agência de conteúdo baseada em São Paulo e parte do Grupo WPP, um dos maiores grupos de comunicação do mundo. O Ahead é nosso primeiro conteúdo em forma de evento físico, e está inaugurando uma nova área de eventos da agência. Estamos de olho em conteúdo musical que seja relevante para mercados regionais. Como esta é a primeira edição, nosso foco é testar o modelo e, então, pensar em sua expansão. É um investimento nosso para ser expandido e viabilizado ao longo de 2017.

Como foi feita a curadoria da programação, tanto dos artistas, como também dos palestrantes? Houve algum critério específico para pensar no que entraria, ou não, na grade?
Nosso foco era trazer tudo o que de mais inovador e inspirador nesses três territórios: moda, música e design. Olhando para o perfil de Londrina, uma cidade com uma cena cultural vibrante, fomos atrás de entender quem seriam os artistas e criativos que inspirariam esse público e os atrairia para estarem no nosso evento. Nossa área de curadoria artística se envolveu bastante neste processo juntamente com um time de agitadores culturais locais que compreendem o comportamento do público de Londrina.

Na parte musical, notei que foram escolhidos sobretudo nomes da nova ‘safra’ da música brasileira e gêneros meio ‘fora de eixo’ (Música eletrônica, rap, alternativa, etc…) isso tem a ver com o perfil do público alvo do evento? O que a organização espera em relação ao espectador do festival?
Procuramos atender à demanda do público jovem, especialmente de um grupo específico de pessoas que está antenado nas principais tendências culturais nacionais e internacionais. Os artistas refletem esse olhar contemporâneo e diverso. Buscamos combinar artistas locais com nomes que nunca estiveram em Londrina como forma de aumentar o interesse no nosso festival.

Sobre os artistas de Londrina que participarão, o pessoal da organização fez alguma pesquisa por aqui ou chegaram nos nomes através de indicação de alguém? (E quem seria o ‘indicador’).
Nós contamos com a consultoria de um  grupo de agitadores culturais  na cidade dentro das 3 arenas foco do evento: moda, design e música.

Vocês já realizaram algum evento semelhante em outras cidades/capitais do país? A Ahead é inspirada em algum outro tipo de evento/experiência realizada em alguma outra parte do mundo?
Esta é a primeira edição do Ahead no Brasil e o objetivo é testar se ele tem boa aceitação em cidades de porte médio, como Londrina, que apesar de ter uma massa crítica super interessante, nem sempre recebem a atenção merecida por parte de produtores culturais. O formato do evento agrega música, design, moda e tecnologia através de uma experiência sensorial de imagens, luzes , tecnologia e conteúdo.

Detalhe interno do espaço onde ocorrerá o Ahead em Londrina - Foto: Divulgação
Detalhe interno do espaço onde ocorrerá o Ahead em Londrina – Foto: Divulgação

Porque escolher Londrina – Cidade interiorana, as vezes com certa resistência, do grande público, para música alternativa – para a realização de um evento com este porte?
Porque temos uma visão um pouco diferente: acreditamos que há, sim, um grande interesse por esse tipo de conteúdo artístico na cidade. Ele só não é atendido à altura. Não custa lembrar que Londrina tem um histórico de eventos culturais e uma comunidade urbana e entusiasta, que possui grande aderência aos temas do nosso evento.

A maioria dos artistas são nomes, muito notáveis, de cidades distantes e com grande público em capitais… Em nenhum momento houve receio de que houvesse pouca procura ou adesão para o festival?
Este é um evento piloto, então há sempre uma preocupação, sim, com o interesse. Mas tivemos um extenso trabalho de planejamento e estudo prévios que embasam nossa aposta em Londrina. Não podemos esquecer que estamos falando de uma cidade com a quarta maior população da região sul e a segunda maior do Paraná. São mais de meio milhão de habitantes, fazendo deste um município com algumas características semelhantes a de cidades maiores. Ficamos muito satisfeitos com a repercussão nas redes sociais por locais assim que anunciamos o evento.

Além deste festival, o público pode esperar novos shows e eventos do tipo, aqui na cidade nos próximos meses?
Tudo depende desta edição, é claro. Estamos avaliando a pertinência do formato.


SERVIÇO:

FESTIVAL AHEAD
Quando: 16, 17,18, 21, 22, 23, 24 e 25 de setembro
Onde: Rua Maragogipe, 92 (próximo ao Empório Guimarães)
Ingressos: Gratuitos mediante cadastramento no site http://www.ahead-br.com.br/
Idade: maiores de 18 anos